terça-feira, 13 de junho de 2017

Só agora que reclamaram do Mestre Kame?


Não é de hoje que o Mestre Kame tem aquele jeitão, digamos, tarado. Na primeira série clássica de Dragon Ball, o velhão protagonizou vários momentos de safadeza. A principal vítima, na época, foi a Bulma (e sua calcinha). É bom ressaltar que as três primeiras séries da franquia foram exibidas originalmente em horário nobre, no começo das noites de quarta-feira pela Fuji TV. Até aí é considerável, uma vez que a faixa das 19h abriu espaço para vários animes violentos, no passado, como Os Cavaleiros do Zodíaco, Samurai X, etc.

Recentemente, Kame teve seus ataques "hentai" em Dragon Ball Super. O que é estranho já que a atual série é exibida em pleno horário matinal, às 9h de domingo. Foi o caso daquele episódio 89 da série, onde surge a personagem Yurin que foi assediada por Kame. Então, este mesmo episódio se tornou alvo de um Comitê de Ética japonês, a BPO (Broadcasting Ethics and Program Improvement Organization), que fez a seguinte reclamação:

Em uma animação, existem cenas de um ancião tocando os corpos das garotas e olhando as suas roupas de baixo contra a vontade delas. Essas cenas são quase irrelevantes para a história. Eu amo assistir esta série com meus filhos todos os finais de semana, mas é inapropriado para crianças ter algo assim no anime.

A BPO não menciona nome de anime em suas reclamações. Pela descrição, tudo leva a crer que se trata de Mestre Kame. O que chama atenção é que o episódio foi exibido no começo de maio e só agora, após mais de um mês, é que a reclamação veio a tona. Enfim, Kame é um personagem antigo da franquia. Ainda assim é esquisito ter esse tipo de apelação em plena programação infantil e em tempos de "politicamente correto". Por um lado, isso provou que esse tipo de coisa não acontece apenas aqui no Brasil. O mesmo caso de cá é também de lá.

Pelo menos, Kame deu a entender que vai se controlar, pelo menos na sequencia do Torneio. Quem sabe depois dessa polêmica toda ele permaneça assim, né?

Nenhum comentário:

Postar um comentário